A vacina BCG previne a tuberculose, principalmente as formas mais graves, como meningite tuberculosa e tuberculose miliar (espalhada pelo corpo).

A BCG é dada em dose única, ao nascimento até 4 anos, 11 meses e 29 dias. 

Não há recomendação de revacinar crianças que foram vacinadas com a vacina BCG e que não apresentem cicatriz vacinal independentemente do tempo transcorrido após a vacinação.

Essa nova orientação do Programa Nacional de Imunizações (PNI) segue a posição tomada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), em fevereiro de 2018, que aponta que a ausência de cicatriz de BCG após a vacinação não é indicativo de ausência de proteção, portanto a revacinação não traz benefício adicional contra tuberculose ou hanseníase.

As demais indicações da vacina BCG devem ser mantidas de acordo com as normas estabelecidas nos manuais técnicos do PNI.

A cicatriz aparece geralmente a partir da terceira semana após a aplicação. Em alguns casos, essa cicatrização é mais demorada, podendo prolongar-se até o quarto mês e, raramente, além do sexto mês.

Fonte:

Ministério da Saúde. http://www.brasil.gov.br/noticias/saude/2019/02/criancas-sem-cicatriz-vacinal-nao-precisam-tomar-nova-dose-de-bcg. Acesso em 06/02/2019. 

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Nota informativa nº 10/2019 CGPNI/DEVIT/SVS/MS. Brasília: Ministério da Saúde, 2019.