A trombofilia é uma alteração na composição do sangue, um estado de hipercoagulabilidade (aumento da coagulação sanguínea) que predispõe ao desenvolvimento de Trombose.

É uma condição que classifica a gestação como alto risco. Porque, estudos indicam que a trobofilia na gravidez, aumenta o risco de aborto, óbito fetal, pré-eclâmpsia, eclampsia, descolamento prematuro de placenta e restrição de crescimento fetal grave. Além disso, maior chance de trombose venosa profunda (TVP) no terceiro trimestre e no pós-parto (puerpério).

O corpo da mulher durante a gestação passa por uma série de mudanças. O organismo enquanto se prepara para a parto no terceiro trimestre, provoca aumento de substâncias pró coagulantes no sangue. O resultado é um risco 6 vezes maior de trombose durante a gestação. No período de pós-parto, durante aproximadamente 40 dias, esse risco chega a ser 15 vezes maior.

Por isso que as futuras mamães que tem histórico familiar ou pessoal de trombose, deve iniciar o pré-natal e os exames o quanto antes, para que o médico possa em tempo hábil, diagnosticar e indicar tratamento. Assim diminui muito o risco de complicações na gestação e pós-parto.

Algumas ações podem ajudar a prevenir risco de trombose na gestação

· Iniciar o tratamento para trombofilia o quanto antes, conforme orientação médica.

· Evitar longos períodos em pé ou sentada.

· Manter o controle de peso e dieta equilibrada.

· Ingerir líquidos

· Se for tabagista, cessar uso do cigarro imediatamente. O cigarro libera substância no sangue que provoca aceleração na formação de coágulos.

· Movimentar-se durante o dia, respeitando as limitações do seu corpo. Converse com seu médico sobre exercícios leves, caminhadas.

Referências:

Ministério da Saúde. Manual técnico Gestação de Alto Risco. Brasília, 2012. https://saude.gov.br/saude-de-a-z/trombose-causas-sintomas-diagnostico-tratamento-e-prevencao