Direito de imagem: Google

O traço falciforme (heterozigose para o gene da hemoglobina S) não é doença, é uma característica hereditária nos glóbulos vermelhos do sangue, que é herdada do pai ou da mãe. Dessa forma, a criança não desenvolve a doença, mas pode transmitir o gene defeituoso para as futuras gerações.

O que eu preciso saber sobre o Traço Falciforme?

As pessoas com o Traço Falciforme tem uma mistura de  hemoglobina “A” (TRAÇO NORMAL “A”) e hemoglobina “S” (TRAÇO ALTERADO “S”).

A hemoglobina “A” é dominante (forte) e a hemoglobina “S” é recessiva (fraca), e é por isso que as pessoas têm Traço Falciforme.

Veja, a imagem a seguir para entender o que pode acontecer em cada gravidez:

ATENÇÃO – NÃO CONFUNDIR

  • O Traço Falciforme não causa anemia no sangue.
  • Traço Falciforme é uma coisa e Anemia ou Doença Falciforme é outra.
  • O Traço Falciforme não é uma doença, é sim uma característica
    genética e não requer tratamento.

A sua importância está associada ao risco de nascimento de futuras crianças com anemia falciforme, assim, os portadores do traço falciforme têm o direito de serem informados através do aconselhamento genético, a respeito dos aspectos hereditários e demais condições clínicas dessa doença.

Quando um recém-nascido com traço falciforme (Hb FAS) é identificado pela triagem, os pais são orientados a realizar o exame chamado de eletroforese de hemoglobina para identificar de qual parte foi herdado, pois filhos de duas pessoas que têm Traço Falciforme podem nascer com Anemia Falciforme.

Como é feito o exame?

Ao nascer, é realizado através do Teste do Pezinho. Este é regulamentado pelo Programa Nacional de Triagem Neonatal (PNTN). A descoberta pode ser também pela doação de sangue que é solicitado pelo médico ou pelo paciente quando há suspeita.

O que mais é importante saber sobre o Traço Falciforme?

É bom lembrar que o resultado do Teste do Pezinho deve ser retirado no local da coleta ou pelo site: www.apaesp.org.br/ testedopezinho, mostrado ao médico pediatra e deve ser anotado no local apropriado na carteira de vacinas.

FONTE:

Ministério da saúde. Traço falciforme consenso brasileiro sobre atividades esportivas e militares. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/traco_falciforme_consenso_brasileiro_atividades.pdf. Acesso em: 22/01/2019.

Ministério da saúde. Traço falciforme. Disponível em: https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/TracoFalciforme.pdf. Acesso em: 22/01/2019.