A síndrome do ovário policístico é um distúrbio endócrino feminino, extremamente comum na idade reprodutiva. Sua etiologia é complexa, com influência da predisposição genética e de fatores ambientais.

A SOP é considerada a endocrinopatia mais frequente em mulheres em idade reprodutiva, acometendo cerca de 6-19% dessa população.

O diagnóstico da SOP é por exclusão, já que não está totalmente estabelecida e não há um teste diagnóstico específico. A caracterização diagnóstica é realizada pela presença de ao menos dois entre três critérios, como irregularidade ou ausência da menstruação, infertilidade, aumento da produção hormonal caracterizados por acnes, aumento da quantidade de pelos na mulher em locais comuns ao homem, tais como, rosto, peito e costas.

 

Nota: ovários policísticos ao ultra-som é dado inespecífico para o diagnóstico da síndrome, pois mais de 25% das pacientes com este achado são assintomáticas, sendo necessário exames laboratoriais.

O tratamento envolve o controle dos sintomas causados por esse aumento da produção hormonal, regularização dos ciclos menstruais e proteção endometrial. Para todas as pacientes, modificações do estilo de vida e o controle das anormalidades metabólicas devem ser sempre recomendadas.

Se apresentar um desses sintomas, importante procurar o Posto de Saúde ou agendar uma consulta com seu médico de confiança.

 

Referências:

http://conitec.gov.br/images/Consultas/2019/Relatorio_PCDT_SindromeOvariosPolicisticos_CP05_2019.pdf

http://www.saude.gov.br/images/pdf/2019/julho/11/Ovarios-Policisticos-julho2019.pdf

JUNQUEIRA, PAA; FONSECA, AM; ALDRIGHI, JM. Síndrome dos ovários policísticos. Rev. Assoc. Med. Bras. vol.49 no.1 São Paulo Jan./Mar. 2003. Disponível em: www.scielo.br.