O que é?

O Método Canguru é uma técnica que visa aproximar pele a pele o recém-nascido para junto à mãe. Conhecido também como “Mãe Canguru” pela forma como o bebê é transportado após o nascimento semelhante como acontece com os mamíferos marsupiais (Cangurus).

Esse método foi aplicado pela primeira vez em uma Maternidade na Colômbia em 1979, em virtude da falta de estrutura para o atendimento dos recém-nascidos prematuros e de baixo peso.

No Brasil, o método canguru foi integrado como parte das diretrizes políticas relacionadas à Atenção à Saúde dos Recém-Nascidos e de baixo peso, incluídos no Programa de Humanização do Pré-Natal e Nascimento, instituído pelo Ministério da Saúde, sob Portaria/ GM nº 693, de 5 de julho de 2000 que adotava o método como estratégia essencial na promoção de mudanças centradas na humanização da assistência e no princípio de cidadania da família.

Benefícios do Método Canguru

  • Promove maior vínculo afetivo
  • Estabilidade térmica do RN
  • Redução do risco de infecção hospitalar
  • Reduz o estresse e a dor do Recém-Nascido
  • Auxilia no aleitamento materno
  • Melhora o desenvolvimento Neurocomportamental e psicoafetivo
  • Maior competência e confiança dos pais nos cuidados com o Recém-Nascido de baixo peso, inclusive após a alta hospitalar.
  • Reduz risco de reinternações

E como o nome já diz trata-se de um método e, portanto não deve ser praticado sem que haja a orientação dos profissionais de saúde.

Geralmente esse método é realizado em 3 etapas, possibilitando aos profissionais, por meio de normas técnicas, a produção de uma assistência humanizada, em âmbito hospitalar e ambulatorial, à gestante, à puérpera e ao recém-nascido prematuro ou de baixo peso.

Primeira etapa

Inicia-se no pré-natal da gestação de alto risco, seguido da internação do recém-nascido na UTIN e/ou na Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal. Nesses espaços, ocorre o acolhimento da família e a primeira aproximação dos pais e familiares com seus bebês.

Segunda etapa

Inicia-se com o encaminhamento do recém-nascido para a Unidade de Cuidado Intermediário Canguru. O bebê deve ter o peso mínino de 1.250g, estar estável clinicamente e apto para

receber a Nutrição enteral plena (via sonda). Nessa fase, os pais são convidados a estarem juntos aos seus filhos em tempo integral, dispensando cuidados diários sob a supervisão e orientação da equipe de saúde, em particular da equipe de enfermagem.

Terceira etapa

O bebê recebe alta para o domicílio, caso atenda os critérios de estar com o peso mínimo de 1.600 g, esteja apto a sugar o seio materno de forma efetiva e a mãe sentir-se segura e motivada, para a realização dos cuidados domésticos, e que tenha a condição de recorrer à unidade hospitalar em caso de urgência.

IMPORTANTE: a primeira consulta na unidade básica de saúde deve ser realizada após as primeiras 48 horas depois da alta hospitalar.

 

Referências

Ferreira DO, Silva MPC, Galon T, Goulart BF, Amaral JB, Contim D. Método canguru: percepções sobre o conhecimento, potencialidades e barreiras entre enfermeiras. Escola Anna Nery 23(4) 2019. <Disponível em https://www.scielo.br/pdf/ean/v23n4/pt_1414-8145-ean-23-04-e20190100.pdf> Acesso em 07/11/2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Atenção Humanizada ao Recém-Nascido. Método Canguru – Diretrizes de Cuidado. Brasília, 2019. <Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/metodo_canguru_diretrizes_cuidado_revisada.pdf> Acesso em 07/11/2020.