É uma condição em que a placenta está total ou parcialmente implantada na porção inferior do útero. Dependo da sua classificação existe o risco importante de hemorragia.

Geralmente é classificada de acordo com a sua posição.

  • Baixa: quando está inserida próximo ao colo do útero.
  • Marginal: quando está inserida na região do colo do útero, mas não cobre totalmente
  • Completa ou centro-total: recobre totalmente o orifício interno do colo do útero.

 

Estudos apontam que 1 em cada 200 gestações podem ocorrer a placenta prévia, porém existem alguns fatores de risco que predispõe.

Fatores de Risco:

  • Cesariana anterior é o principal fator de risco
  • Diversas curetagens
  • Tabagismo
  • Gemelaridade
  • Multiparidade em intervalo curto entre as gestações.

Sintomas:

Na placenta prévia baixa, ocorre o sangramento indolor em pouca quantidade, geralmente no segundo ou terceiro trimestre.

Já na placenta prévia marginal, muitas vezes o sangramento não se apresenta até o momento do parto.

Quando a placenta é completa/centro-totais, algumas gestantes podem apresentar um sangramento entre a 26ª e 28ª semana de gestação, chamado de sangramento sentinela. O sangramento é intermitente e abundante, de coloração vermelho vivo, com necessidade de internações e transfusões freqüentes.

Diagnóstico

O diagnóstico geralmente é feito por meio de ultrassonografia abdominal, sendo também o exame mais seguro

Tratamento

  • A gestante não deve ter relações sexuais.
  • Fazer uso de vitaminas como sulfato ferroso é importante para evitar anemia.
  • Manter o acompanhamento cuidadoso do pré-natal.
  • Estudos apontam que cerca de 90% dos casos de placenta prévia normalizarão até o final da gestação, devido à teoria da “migração” placentária. Isso ocorre em virtude da combinação entre o crescimento placentário em direção ao fundo uterino, conferindo uma implantação placentária adequada.

 

Referência

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de Alto Risco. Manual Técnico 5ª edição Série A. Brasília, 2012.