A perda auditiva é vista como a redução da audição em qualquer grau que reduza a inteligibilidade da mensagem falada para a interpretação. Logo, é um processo silencioso, indolor e muitas vezes  difícil de perceber.

Pode trazer problemas no desenvolvimento da criança, por isso o ideal é observar as reações das crianças com sons habituais da casa e a resposta ao chamar. Crianças com perda auditiva têm dificuldades em  comunicação verbal e não verbal, alteração comportamental, diminuição do bem-estar psicossocial e menor escolaridade em comparação com crianças com audição normal.

Em crianças mais velhas, o atraso ou a ausência da fala é o principal alerta.

Alguns fatores estão ligados á perda da audição da infância, como:

• Genética
• Infecções durante a gestação (toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus, herpes e sífilis)
• Malformações craniofaciais (as fissuras labiopalatais)
• Prematuridade e outros.

O que fazer?

Ao perceber o possível problema, deve buscar atendimento médico especializado para realizar exames específicos.

O quanto antes buscar atendimento melhor será o tratamento, o indicado é que seja diagnosticado até os 3 meses de vida.

Tratamentos

Inicialmente todas as mães e os familiares são orientados a conversar com o bebê para realizar o primeiro estimulo auditivo.

Dependendo do grau da perda o especialista escolhe um método diferente, atualmente são utilizados:

• Uso de aparelhos para amplificação dos sons
• Cirurgia para implantação de prótese auditiva

Ambos os métodos trazem uma ótima qualidade de vida para a criança e o desenvolvimento normal durante toda a vida.

Os nossos enfermeiros estão disponíveis para esclarecer essa e outras dúvidas. Se preferir, entre em contato conosco pelo 0800 200 0202 ou via Chat.