A cesárea é um procedimento cirúrgico que, quando bem indicado, tem papel fundamental na Obstetrícia como redutor da morbidade e mortalidade perinatal e materna. No entanto, não se pode aceitar um aumento de cesáreas sem indicação, pois é sabido que este procedimento cirúrgico, comparativamente ao parto normal, associa-se com maior morbidade e mortalidade materna e neonatal.

A cirurgia cesariana apresenta uma frequência muito elevada no Brasil. Isso tem sido responsável por uma banalização do procedimento, como se fosse simples e isento de possíveis complicações. O parto por cesárea é uma laparotomia que exige uma série de cuidados clínicos, técnicos e anestésicos e que se associa também a algumas complicações que devem sempre ser ponderadas antes da indicação.

No Brasil, atualmente a incisão cirúrgica de preferência é a transversa supra púbica, porém está tem maior sangramento, campo operatório reduzido, maior tempo cirúrgico que a incisão mediana e maior risco de hematoma. A incisão umbilical mediana é utilizada quando o risco de sangramento é maior ou quando há extremada necessidade de retirada rápida do feto. Quando à abertura da cavidade abdominal há possibilidade de lesões da bexiga ou no intestino principalmente em casos de cirurgias anteriores.

Após a retirada do bebê e os primeiros cuidados, a sutura da incisão a mulher inicia os cuidados pós-operatórios, sendo que é a cesárea é uma cirurgia potencialmente infectada é utilizado antibioticoterapia profilática. Uso de analgésicos devem ser avaliados e utilizados somente se necessário. A utilização da sonda vesical de demora deve ser utilizada ainda por período de aproximadamente 6 horas, devido a dificuldades de deambulação e o restabelecimento da micção espontânea. A alimentação, o levantar e a deambulação deve ser restabelecida o mais precocemente possível.

A alta hospitalar deve ocorrer se não houver nenhuma complicação e a retirada dos pontos entre o 7º ao 10º dia pós-parto na UBS.

Os pontos devem sempre estar limpos e secos, sem presença de secreção amarela ou esverdeada com odor ruim, sangramento, vermelhidão e calor ao redor da incisão, se ocorrer qualquer destes sinais e/ou sintomas deve se retornar ao hospital para avaliação de uma possível infecção.

É importante salientar que o parto-cesárea, quando bem indicado e realizado, também é um parto humanizado na medida em que a indicação visa minimizar agravos à mãe e ao feto.

Enfermeira Orientadora do Programa Alô Mãe Paloma Martina Rodrigues Barboza. Especialização em Ginecologia, Obstetrícia e Cuidados em Pré-Natal.

 

Fonte:

Ministério da Saúde. Biblioteca virtual em saúde do Ministério da Saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd04_13.pdf