A colpocitologia oncótica ou papanicolau é um exame realizado por profissionais enfermeiros e médicos que tem como objetivo prevenir doenças do colo uterino. 

Segundo o INCA (Instituto Nacional de Câncer), o câncer do colo de útero é o terceiro tumor mais frequente na população feminina, atrás do câncer de mama e do colorretal, e a quarta causa de morte de mulheres por câncer no Brasil. A estimativas de novos casos é de 16.370 (2018 – INCA).

O exame deve ser realizado em todas as mulheres com vida sexualmente ativa, pelo menos uma vez ao ano. Para casos que o exame tenha dado negativo por três anos seguidos, a mulher pode fazê-lo de 3 em 3 anos. O início da coleta deve a partir dos 25 anos de idade para as mulheres que já tiveram atividade sexual e devem seguir até os 64 anos (INCA, 2011).

O exame pode ser realizado nas consultas ginecológica de rotina, pré-natal e outros.

Como é feito o exame?

Para a realização do mesmo, é introduzido um instrumento chamado espéculo na vagina (conhecido popularmente como “bico de pato”, devido ao seu formato).

O profissional realiza inspeção visual do interior da vagina e do colo do útero, e a seguir é realizada a escamação da superfície externa e interna do colo do útero com uma espátula de madeira e uma escovinha.

O material colhido é colocado em uma lâmina para análise em laboratório especializado.

É necessário preparação para realizar o exame?

Sim. É importante que seja realizado fora do período menstrual.  Nas  48 horas que precedem o exame devem ser evitadas relações sexuais, duchas vaginais internas, exames de toque ou que envolvam qualquer tipo de penetração e uso de pomadas, cremes, medicamentos ou loções na região.

Fique atento! A realização o exame é tão importante quanto buscar o resultado e retornar ao médico para avaliação.

O papanicolau pode ser feito na gravidez?

Sim. Levando em consideração que gestantes têm o mesmo risco que não gestantes de apresentarem câncer do colo do útero. Na gravidez, o exame pode ser solicitado caso o último exame tenha sido realizado há mais de três anos ou se o médico julgar necessário.

Fonte:

1. A importância da realização do papanicolau em gestantes: uma revisão de literatura.Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/index.php/cadernobiologicas/article/viewFile/581/534. Acesso em: 03/11/2018. 

2. BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/colo_utero/definicao. Acesso: 03/11/2018.