A dermatite seborreica em recém-nascidos, conhecida como crosta láctea, é uma condição inofensiva e temporária, na qual aparecem cascas grossas amarelas ou marrons sobre o couro cabeludo da criança. Escamas semelhantes também podem ser encontradas nas pálpebras, nas orelhas, ao redor do nariz e na virilha. A doença não é contagiosa e não é causada por falta de higiene. Também não é uma alergia e tampouco perigosa.

A crosta láctea pode ocorrer devido à produção excessiva de oleosidade pelas glândulas da pele ao redor dos folículos capilares.

Pode apresentar infecção secundária fúngica (Candida sp) ou bacteriana (menos comum). Tende à cura espontânea entre o 8º e 10º mês de vida.

Os sintomas da dermatite seborreica são:

  • oleosidade na pele e no couro cabeludo;
  • escamas brancas que descamam – caspa;
  • escamas amareladas que são oleosas e ardem;
  • coceira, que pode piorar caso a área seja infectada pelo ato de “cutucar” a pele;
  • leve vermelhidão na área;
  • possível perda de cabelo.

O tratamento da crosta láctea costuma ser simples.

Uma hora antes do banho passe no couro cabeludo um óleo mineral infantil ou óleo de amêndoas. No banho faça a remoção das casquinhas delicadamente, com o auxílio de um pente (nunca com a unha) de cerdas arredondadas. Caso haja resistência para retirada das crostas não insista. Não force a remoção.

Caso haja sinais de infecção consulte o pediatra.

 

Fonte

Portal da Sociedade Brasileira de Dermatologia https://www.sbd.org.br/dermatologia/cabelo/doencas-e-problemas/dermatite-seborreica/84/

CADERNO DE ATENÇÃO À SAÚDE DA CRIANÇA PRIMEIRO ANO DE VIDA https://www.saude.pr.gov.br/sites/default/arquivos_restritos/files/documento/2020-07/pdf4.pdf