Falando sobre gestação e verão, são vários os fatores que facilitam o desenvolvimento de pigmentação cutânea na pele. O cloasma é definido como uma dermatose adquirida, caracterizada por manchas hiperpigmentadas irregulares na pele. Sendo assim, a sua ocorrência é maior no primeiro ou segundo trimestre da gestação.

As manchas caracterizam-se pela pigmentação melânica irregular, preferencialmente na face. A luz solar e a predisposição genética são fatores importantes.

Alguns estudos apontam que os níveis de hormônio estimulante dos melanócitos, estão envolvidos no desenvolvimento do melasma, bem como, características raciais, medicações, cosméticos e endocrinopatias.  Geralmente após o período pós-parto, o cloasma desaparece em tempo variável.

E quais são os sintomas?

O único sintoma é a alteração da colocação da pele, sendo mais comum na teste, bochecha, nariz e lábio superior.

O diagnostico é feito clinicamente por um profissional capacitado e classificado conforme a sua distribuição e coloração.

E o tratamento?

Geralmente o cloasma gravídico desaparece espontaneamente após a gravidez, caso isso não aconteça às opções de tratamento incluem:

  • Tratamento com peelings;
  • Sessões a laser;
  • Cremes para clareamento. Lembrando, só poderão ser utilizados após o parto e depois da amamentação.

Para evitar o melasma, a gestante deve evitar exposição ao sol sem proteção solar durante a gravidez. As principais recomendações no período gestacional, incluem:

  • Usar protetor solar UVA e UVB, durante todo o período gestacional, aplicando conforme indicação do fabricante;
  • Evitar a exposição ao sol entre as 10hs e 16hs;
  • Proteja sempre o rosto do sol com chapéu ou boné.
  • Use roupas claras e frescas, confeccionadas com tecidos naturais, como algodão.

IMPORTANTE! A consulta pré-natal é de extrema importância, pois auxilia na prevenção e detecção precoce de vários problemas relacionados à mãe e seu bebê.