O método Mãe-Canguru é um tipo de assistência neonatal, baseada no contato pele a pele, precoce e progressivo, entre pai, mãe e bebê até se atingir a posição canguru.

O método foi pensado inicialmente na Colômbia, em 1979, para diminuir a mortalidade neonatal no país.

A ideia era simples: a colocação do recém-nascido contra o peito da mãe poderia promover maior estabilidade térmica, substituindo as incubadoras.

O método permitia ainda alta precoce do bebê de baixo peso, menor taxa de infecção hospitalar e maior qualidade da assistência. Tudo isso com menor custo para o sistema de saúde.

Apesar de o procedimento não ter melhorado a sobrevida das crianças prematuras, viu-se que a promoção do contato precoce entre mãe e bebê propiciava um vínculo afetivo e um melhor desenvolvimento da criança.

Desde então, carregar o recém-nascido prematuro contra o peito materno ganhou o mundo.

FASES:

O método é desenvolvido em três fases:

1º fase: Quando o recém-nascido está impossibilitado de ficar junto à mãe e necessita de internação na unidade neonatal, inicia-se o contato direto pele a pele entre a mãe e o bebê, progredindo até a colocação do bebê sobre o tórax da mãe ou do pai.

2º fase: A saúde do recém-nascido está estabilizada e ele pode contar com o acompanhamento contínuo da mãe. A posição canguru é mantida pelo maior tempo possível, como se fosse um estágio para a alta hospitalar.

3º fase: O bebê já recebeu alta hospitalar, mas ainda necessita de acompanhamento ambulatorial para avaliações de seu desenvolvimento físico e psicológico pela Equipe Multidisciplinar. Nesse período, o método também é aplicado continuamente.

Principais Dúvidas:

  • O bebê não sente frio por estar quase pelado?

Resposta: Quando em contato pele a pele com a mãe, o bebê não sente frio, pois o calor do corpo da mãe o aquece na temperatura adequada.

  • A posição não machuca o bebê?

Resposta: Não, pois a faixa que mantém a criança na posição canguru foi elaborada para conforto do bebê e da mãe.

  • A mãe pode dormir com o bebê nessa posição?

Resposta: Sim, desde que esteja apoiada num encosto confortável, ficando semideitada. Dessa forma, o bebê ficará em uma posição que evita o refluxo gástrico.

  • O bebê não corre o risco de sufocar?

Resposta: Quando o bebê é mantido na posição canguru, tem menos refluxo e as vias aéreas são mantidas livres.

  • Há perigo de o bebê escorregar e cair?

Resposta: Não. Se o bebê estiver bem posicionado na bolsa canguru e a faixa estiver bem ajustada, não há risco algum.

  • A mortalidade infantil não aumenta com o método?

Resposta: Pelo contrário, a proposta do método fortalece o vínculo e melhora a imunidade do recém-nascido, auxiliando na amamentação e ganho de peso adequado. O método implica em mudança de atitude no tratamento do recém-nascido de baixo peso.

 

Referência

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Atenção Humanizada ao Recém-Nascido. Método Canguru – Diretrizes de Cuidado. Brasília, 2019. <Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/metodo_canguru_diretrizes_cuidado_revisada.pdf> Acesso em 06/02/2021.