A idade avançada interfere na quantidade de óvulos, isto é, na taxa de fecundidade feminina. Quando nascem, as mulheres trazem consigo cerca de sete milhões de óvulos. Esse número diminui consideravelmente na primeira menstruação (menarca), atingindo aproximadamente 500 mil óvulos.

Segundo o sistema de informações sobre nascidos vivos do Ministério da Saúde aponta que o número de mulheres que deram à luz entre os 35 a 39 anos aumentou 71% nos últimos 21 anos do país.

A gestação é considerada tardia para mulheres com idade superior a 35 anos e gestação avançada para mulheres com a idade materna acima de 45 anos, o que exige atenção especial durante a realização do pré-natal.

A gestação em idade avançada é considerada de alto risco em decorrência de possíveis complicações, tais como:

  • Síndrome hipertensiva;
  • Obesidade;
  • Parto prematuro,
  • Miomas;
  • Placenta prévia;
  • Gestações múltiplas;
  • Diabetes,
  • Aborto;
  • Cesárea, dentre outros.

E por que as mulheres engravidem tardiamente?

A gestação após os 35 anos de idade tem sido uma realidade cada vez mais presente na prática obstétrica, devido a fatores sociais, educacionais, econômicos e culturais, redução ou mesmo controle no número de filhos, e ao uso do método contraceptivo.

Com relação ao pré-natal, as gestantes devem procurar por assistência médica desde que houver suspeita da gravidez.

Quais cuidados não podem faltar no pré-natal de uma gravidez tardia?

Exige um acompanhamento completo e bem realizado. Os profissionais de saúde devem estar preparados para prestar assistência qualificada a este grupo de gestantes, para que as orientem e prestem um adequado acompanhamento do pré-natal e assistência ao parto. Gestantes evitem faltar nas consultas médica e esclareça todas as suas dúvidas em consulta médica.

Fonte:

Febrasgo. Federação Brasileiras das Associações de Ginecologia e Obstétrica. Disponivel em: https://www.febrasgo.org.br/pt/noticias/item/203-o-que-e-o-pre-natal-de-alto-risco. Acesso em 29/04/2019.