Durante a gestação, a placenta é responsável por trocas nutricionais,  responsável essa pela comunicação entre mãe e feto.

A insuficiência placentária é uma síndrome que pode ser causada por diversos motivos, a principal delas é fornecer sangue inadequadamente ao feto, promovendo uma oxigenação e nutrição insuficiente.

A pré eclampsia é outras doenças maternas podem estar associadas à insuficiência placentária, por essa razão, o pré natal deve ser realizado minuciosamente, consultas médicas com intervalos menores e solicitação de exames mais frequentes.

As principais complicações decorrentes da insuficiência placentária são:

  • Retardo do crescimento fetal (responsável por baixo peso de nascimento);
  • Crescimento intrauterino restrito;
  • Policitemia neonatal (excesso de glóbulos vermelhos presentes na circulação fetal).

Conheça os principais motivos que pode levar a insuficiência placentária, abaixo:

  • Hipertensão arterial;
  • Diabetes (diabetes mellitus);
  • Uso de medicamentos;
  • Obesidade;
  • Tabagismo e uso de drogas ilícitas;
  • Estresse, entre outros.

O tratamento depende das condições geral, como por exemplo, idade gestacional. O objetivo principal é normalizar o funcionamento da placenta e prevenir a ocorrência de graves problemas de saúde para a mãe e para o feto.

E o parto?

Tudo depende da condição da gestante e da avaliação médica. O mais comum neste caso é optarem por uma cesariana. Siga a orientação do seu médico.

Fonte:

  1. Boas JM, Maesta I, Consonni M. Mecanismo de centralização: da insuficiência placentária à adaptação circulatória fetal. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbgo/v30n7/a08v30n7.pdf. Acesso em: 08/11/2018.