O que é?

Herpes é uma doença que pode ser causada pelo Vírus Varicela-Zóster (VVZ), que causa catapora (varicela) e o popularmente conhecido cobreiro (herpes zóster) e os herpes vírus tipo 1 e tipo 2, que causam o chamado herpes simples.

No caso da Herpes Genital (Herpes Simples) a transmissão ocorre principalmente pelo contato sexual (inclusive orogenital). A transmissão pode acontecer, também, pelo contato direto com lesões ou objetos contaminados.

A transmissão vertical (de mãe para filho) é observada em uma a cada 3.500 gestações e o abortamento espontâneo só ocorre se a infecção materna se der nos primeiros meses da gestação.

Se a infecção ocorre no 3º trimestre de gestação, ocorre maior risco de transmissão do vírus ao feto no momento da passagem pelo canal do parto, resultando em aproximadamente 50% de infecção neonatal se a lesão for ativa. Mesmo se não houver sintomas, pode haver a transmissão do vírus por meio do canal de parto.

Sinais e sintomas

Após a infecção ocorre o aparecimento de lesões vesiculosas que, em poucos dias, transformam-se em pequenas úlceras, precedidas de sintomas de ardência, coceira e dor.

Diagnóstico

O diagnóstico é clínico, mas também pode ser realizado exames como o citodiagnóstico de Tzanck.

Tratamento

A gestantes com Herpes Genital, aos primeiros sinais e sintomas deve procurar atendimento médico para tratamento medicamentoso. A gestação é considerada alto risco, em virtude do risco de transmissão neonatal do herpes, sendo uma condição grave para saúde do bebê.

O parto cesariana é recomendado em caso de mulheres que tenham apresentado infecção primária do vírus Herpes simples durante o terceiro trimestre da gestação, ou infecção ativa (primária ou recorrente) do vírus Herpes simples no momento do parto.

Prevenção

  • Uso do preservativo em todas as relações do início ao fim.
  • Evitar múltiplas parcerias sexuais
  • Evitar relações sexuais no aparecimento dos sintomas

 

Referências

CONITEC. Diretrizes de Atenção à Gestante: a operação cesariana, Nº 179, março/2016. Disponível em < http://conitec.gov.br/images/Consultas/Relatorios/2016/Relatorio_Diretrizes_Cesariana_N179.pdf>

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Gestação de Alto Risco-Manual Técnico. Brasília, 2010. Disponível em < https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/gestacao_alto_risco.pdf>