A hepatite A é uma doença causada pelo vírus VHA transmitido pela ingestão de água ou alimentos contaminados com fezes.

A principal via de contágio é a fecal-oral, ou seja, por contato inter-humano ou por água e alimentos contaminados.  A pessoa infectada elimina o vírus nas fezes, podendo contaminar a água onde não existem condições adequadas de saneamento básico.

Quem tomar esse líquido contaminado ou ingerir alimentos crus lavados com essa água, por exemplo, pode se infectar, assim como ao comer marisco ou frutos do mar crus, de água poluída com esgoto.

Quais os sintomas?

Geralmente não apresenta sintomas, mas quando apresentados os principais são:

  • Cansaço;
  • Tontura;
  • Enjoo ou vômitos;
  • Febre;
  • Dor abdominal;
  • Pele e olhos amarelados;
  • Urina escura e fezes claras.

A descoberta da doença é através do exame de sangue, no qual se procura por anticorpos anti-HAV. Após o diagnóstico, o médico indicará o melhor tratamento.

A doença tem cura, se o paciente seguir corretamente todas as recomendações médicas. Quando não tratada, o paciente pode apresentar insuficiência hepática aguda grave.

Qual a melhor forma de prevenir a doença?

Segundo o ministério da saúde a melhor forma de prevenção é melhorar as condições de higiene e de saneamento básico, como por exemplo:

  • Lavar as mãos após ir ao banheiro, trocar fraldas e antes de comer ou preparar alimentos;
  • Lavar bem, com água tratada, clorada ou fervida, os alimentos que são consumidos crus, deixando-os de molho por 30 minutos;
  • Cozinhar bem os alimentos antes de consumi-los, principalmente mariscos, frutos do mar e carne de porco;
  • Lavar adequadamente pratos, copos, talheres e mamadeiras;
  • Não tomar banho ou brincar perto de valões, riachos, chafarizes, enchentes ou próximo de onde haja esgoto a céu aberto;
  • Evitar a construção de fossas próximas a poços e nascentes de rios, para não comprometer o lençol d’água que alimenta o poço. Deve-se respeitar, por medidas de segurança, a distância mínima de 15 metros entre o poço e a fossa do tipo seca e de 45 metros, para os demais focos de contaminação, como chiqueiros, estábulos, valões de esgoto, galerias de infiltração e outros;
  • Caso haja algum doente com hepatite A em casa, utilizar hipoclorito de sódio a 2,5% ou água sanitária ao lavar o banheiro;
  • No caso de creches, pré-escolas, lanchonetes, restaurantes e instituições fechadas, adotar medidas rigorosas de higiene, tal como a desinfecção de objetos, bancadas e chão utilizando hipoclorito de sódio a 2,5% ou água sanitária.

Vacina contra a hepatite A

A vacina contra a hepatite faz parte do calendário nacional de vacinação e é indicada para crianças de 1 ano a menores de 2 anos, em dose única, e com proteção permanente.

Quando necessário, a vacina de hepatite A pode ser recomendada pelos médicos e estão disponíveis nos Centros de Referência de Imunobiológicos Especiais (CRIE) nas seguintes situações:

. Hepatopatias crônicas de qualquer etiologia;
. Portadores crônicos das hepatites B ou C;
. Coagulopatias;
. Crianças menores de 13 anos com HIV/aids;
. Adultos com HIV/aids que sejam portadores das hepatites B ou C;
. Doenças de depósito (doenças genéticas);
. Fibrose cística;
. Trissomias (como síndrome de Down);
. Imunodepressão terapêutica ou por doença imunodepressora;
. Candidatos a transplante de órgão sólido, cadastrados em programas de transplantes;
. Transplantados de órgão sólido ou de medula óssea;
. Doadores de órgão sólido ou de medula óssea, cadastrados em programas de transplantes;
. Hemoglobinopatias (doenças do sangue).

 

 Alô Mãe Paulistana