A febre é uma doença infecciosa causada por vírus, que se manifesta por febre, dor no corpo, amarelão, fraqueza e com alto risco de morte para casos mais graves.

A vacinação contra a febre amarela é indicada para uma grande área do Brasil onde a transmissão é considerada possível. Estas áreas  são determinadas pelo Ministério da Saúde e mudam periodicamente, de acordo com o resultado de estudos de vigilância e ocorrência de surtos.

A vacina usada no Brasil é produzida pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e consiste de vírus vivos atenuados indetectável.

Esquema vacinal
O esquema vacinal consiste em uma dose única a partir dos 9 meses de idade.

Adolescentes e adultos que vivem em áreas de recomendação de vacinação, ou em viagem nacional/internacional de risco para a doença, ou com obrigatoriedade de comprovação da vacinação.

A proteção contra a doença ocorre cerca de dez dias após a primeira dose da vacina, logo, é sugerido outras medidas para a proteção dos indivíduos recém-vacinados que residem ou vão se deslocar para a área de risco.

Para crianças menores de 6 meses de idade que NÃO podem receber a vacina e usar repelentes devem ser mantidas o tempo todo sob mosquiteiros e/ou em ambiente protegido (refrigerado com portas e janelas fechadas ou protegidas por tela, com repelentes ambientais).

Crianças maiores de 6 meses e adultos que possuem contraindicação clínica e que não podem receber as vacinas, devem seguir as seguintes orientações:

  • Proteger a pele por meio do uso de calça comprida, blusas
    de mangas compridas.
  • Não usar repelentes por debaixo das roupas. Podem ser usados por cima das roupas; seguindo orientações dos fabricantes.
  • Passar o maior tempo possível em ambientes refrigerados, com portas e janelas fechadas e/ou protegidas por telas com trama adequada para impedir a entrada de mosquitos.
  • Dormir sob mosquiteiros corretamente arrumados para não permitir a entrada de mosquitos.

Contraindicações

  • Gestantes e maiores de 60 anos. A administração deve ser analisada caso a caso na vigência de surtos.
  • Crianças menores de 6 meses de idade.
  • Pacientes submetidos a transplante de órgãos.
  • Pacientes com história pregressa de doenças do timo (miastenia gravis, timoma, casos de ausência de timo ou remoção cirúrgica) e outros grupos.

Fonte:

Ministério da Saúde. Febre Amarela: Guia para Profissionais de Saúde. Brasília – DF, 2018. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/janeiro/18/Guia-febre-amarela-2018.pdf. Acesso em: 23/11/2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Guia de vigilância em saúde [recurso eletrônico]. Brasília: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/outubro/06/Volume-Unico-2017.pdf.  Acesso em:23/11/2018.