O que é?

A coqueluche é uma doença infecciosa aguda, causada pela Bordetella pertussis. A infecção ocorre mais frequentemente em menores de 1 ano, isto é, se o esquema vacinal da criança não estiver completo.

Crianças não vacinadas ou incompletamente vacinadas, como menores de seis meses, constituem grupo de risco para evolução da doença na forma grave e até morte.

Como é transmitida?

A coqueluche é uma doença aguda de transmissão respiratória. O período de transmissão vai desde o 5º dia após o contato com o doente até três semanas após o início da fase paroxística.

Sinais e sintomas:

A coqueluche apresenta período de incubação de 4 a 21 dias, mas é mais comum de 5 a 10 dias após a infecção.

Após o período de incubação inicia os sintomas catarrais, que duram de 1 a 2 semanas. Nessa fase ocorre maior transmissibilidade da doença.

  • Tosse paroxística (tosse sem inspiração, muitas vezes seguido de vômitos).
  • Protusão da língua (língua levemente para fora da boca).
  • Salivação excessiva.
  • Congestão facial.
  • Cianose (coloração da pele roxa) e apneia.

Diagnóstico:

O diagnóstico da coqueluche em fase inicial pode ser difícil por ser confundido com resfriado ou outras doenças respiratórias.

Exames como coleta de material nasofaringe e exames de sangue podem auxiliar no diagnóstico.

Tratamento:

Tratamento é realizado de acordo com a prescrição médica, com uso de antibióticos específicos para combater a Bordetella pertussis.

Prevenção:

A vacinação é o principal meio de prevenção da coqueluche. Crianças de até 6 anos, 11 meses e 29 dias devem ser vacinadas contra a coqueluche. O Sistema Único de Saúde (SUS) também oferta vacina específica para gestantes e profissionais de saúde que atuam em maternidades e em unidades de internação neonatal, atendendo recém-nascidos e crianças menores de um ano de idade.

Vale Lembrar

O indivíduo torna-se imune em duas situações:

  • ao adquirir a doença (a imunidade duradoura, mas não é permanente);
  • pela vacina, mínimo de 3 doses com a pentavalente (DTP+Hib+Hepatite B) um reforço aos 15 meses de idade, e um segundo reforço aos 4 anos de idade com a tríplice bacteriana (DTP).

Gestantes devem fazer uma dose da vacina do tipo adulto (dTpa) a partir da 20ª semana a cada gestação. A imunidade não é permanente, após 5 a 10 anos, em média, da última dose da vacina, a proteção pode ser pouca ou inexistente.

 

Referências

Ministério da Saúde. Coqueluche: causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção. < Disponível em https://antigo.saude.gov.br/saude-de-a-z/coqueluche> Acesso em 06/02/2021.

COVISA. Coqueluche: novas recomendações para prevenção e controle dos casos, 2017. < Disponível em https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/chamadas/coqueluche_2017_1501188615.pdf> Acesso em 06/02/2021.