Vários são os riscos e o impacto que o cigarro pode causar na vida das pessoas, especialmente na vida intrauterina.

O uso do tabaco/cigarro na gravidez pode trazer diversas consequências entre elas: aborto espontâneo, gravidez ectópica, ruptura prematura pré-termo de membranas (rompimento da bolsa), descolamento prematuro de placenta normalmente inserida, placenta prévia, parto prematuro e baixo peso ao nascer.

Porém essas consequências nem sempre estão associadas somente com o consumo ativo do cigarro durante a gestação. O fato é que muitas mulheres tabagistas, assim que descobrem a gravidez se sentem motivadas a parar de fumar, e efetivamente param.

A exposição ao tabagismo na gestação provoca modificações no DNA do sangue do cordão umbilical. Estudo recente realizado por um grupo de pesquisadores franceses, evidenciou que mesmo que a mulher consiga parar de fumar no período gestacional, a placenta e os anexos ainda sofrem os efeitos da nicotina.

A hipótese é que o tabagismo materno durante ou antes da gravidez poderia alterar a função placentária por meio da modificação da metilação do DNA.

Participaram desse estudo mulheres que fumavam durante a gravidez, e mulheres que pararam de fumar após descobrir a gravidez ou que cessaram há pelo menos 3 meses antes de engravidar. Amostras de placenta de 568 mulheres foram analisadas.

O resultado do estudo concluiu que os padrões de metilação do DNA alterados não foram observados apenas na placenta diretamente exposta ao tabagismo, mas também nas placentas de mulheres que pararam de fumar ao descobrir a gestação, sugerindo o estabelecimento de uma “memória” de exposição ao tabaco e transmissão de marcas genéticas a placentas que nunca haviam sido expostas diretamente ao fumo.

Percebe-se então os potenciais efeitos prejudiciais de longo prazo do tabagismo em mulheres jovens, que podem afetar seus filhos mesmo após a cessação do tabagismo. Fica evidente a importância das mulheres em idade reprodutiva abadonar o hábito de fumar, pensando sempre em uma melhor qualidade de vida para o seu futuro bebê.

 

 

Referência

Rousseaux, S., Seyve, E., Chuffart, F. et al. Os efeitos imediatos e duráveis do consumo de tabaco materno alteram a metilação do DNA da placenta em potenciadores e regiões contendo genes impressos. BMC Med 18, 306 (2020). https://doi.org/10.1186/s12916-020-01736-1