O corpo humano é formado por estruturas, cada um com sua função.  O septo nasal é a cartilagem que divide o nariz. E o desvio septo é quando há alteração nessa estrutura, que pode ser congênito ou adquirido. Contudo, pode ser causado no período pré-natal, no parto ou durante o desenvolvimento da criança.

As principais causas do desvio podem ser: congênito, ou seja, quando a criança nasce com o desvio ou após um trauma, como por exemplo, quando uma criança sofre uma queda e lesiona a região do nariz.

Geralmente o desvio é assintomático (não tem sintomas), porém é provável que pais observem uma diferença no nariz na criança. Contudo, alguns desvios podem causar os seguintes sinais e sintomas:

  • Dificuldade para respirar ou respiração ruidosa durante o sono;
  • Sangramento nasal (ou epistaxe), a superfície do septo nasal desviado pode tornar-se seca, aumentando o risco de hemorragias nasais;
  • Dor na face;
  • Congestão nasal;
  • Nariz escorrendo.

Como saber se sua criança tem desvio septo?

A suspeita pode ser gerada pelos sintomas já citados. Mas, o diagnóstico deve ser indiscutivelmente realizado por um otorrinolaringologista. Para isso, converse com o médico que acompanha a criança na própria UBS de referência (Unidade básica de saúde) e solicite avaliação e encaminhamento para o especialista.

Como funciona o tratamento?

Na maioria dos casos o desvio é corrigido com cirurgia conhecida como septoplastia. Essa cirurgia pode ser de rápida realização, porém o paciente pode levar até uma semana para recuperação completa.

O tempo necessário para a cirurgia é de uma a uma hora e meia, isso depende  do tipo do desvio. Pode ser feita com anestesia local ou geral, e geralmente é feita em nível ambulatorial (até um dia de internamento)

Existem outras formas de tratamento, que permitem amenizar os sintomas, mas que não possibilita corrigir a deformidade existente.

O médico pode prescrever medicamentos e também indicar alguns cuidados, como lavagem nasal e uso de corticoides tópicos nasais, descongestionantes nasais ou anti-histamínicos, que permitem melhorar o desconforto.

Leitura recomendada: Sinusite

 

Alô Mãe Paulistana