O Brasil é um país com vários tipos de clima, essa característica faz com que uma grande quantidade de insetos estabeleça-se em nosso território, como é o caso dos mosquitos do gênero Aedes. 

A Dengue, chikungunya e zika são transmitidas pelo mesmo vetor, o mosquito Aedes aegypti. E, embora zika, chikungunya e dengue apresentem sinais clinicamente parecidos, como febre, dores de cabeça, dores nas articulações, enjoo há alguns sintomas marcantes que as diferem.

Veja:

Resultado de imagem para DENGUE, CHIKUNGUNYA E ZIKA sintomas

Ultimamente, a preocupação com o mosquito Aedes aegypti, que transmite a dengue, a febre chikungunya e também o vírus Zika, aumentou. O Ministério da Saúde está investigando o nascimento de bebês com microcefalia relacionada ao vírus zika.  Por isso, alguns cuidados, que já devem fazer parte da rotina da população, precisam ser aumentados:

  • Adoção de medidas que eliminem a presença de mosquitos transmissores de doenças e seus criadouros (retirar recipientes que tenham água parada e cobrir adequadamente locais de armazenamento de água);
  • Proteção contra mosquitos, com portas e janelas fechadas ou teladas;
  • Uso de calça e camisa de manga comprida e com cores claras;
  • Denúncia de locais com focos do mosquito à prefeitura;
  • Mosquiteiros proporcionam boa proteção pra aqueles que dormem durante o dia (por exemplo: bebês, pessoas acamadas e trabalhadores noturnos);
  • Uso de repelentes indicados para gestantes;

Repelentes na gestação

Os repelentes de uso tópico, aplicado na pele, podem fazer parte dos cuidados contra denguechikungunya e Zika. A recomendação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária ) é clara: não há qualquer impedimento para a utilização desses produtos por mulheres grávidas,  desde que os repelentes estejam devidamente registrados na Agência.

As recomendações de uso descritas no rótulo de cada produto devem ser seguidas à risca. Os produtos à base de DEET não devem ser usados em crianças menores de dois anos. Entre 2 anos e 12 anos, a concentração máxima do produto deve ser de 10% e a aplicação deve se restringir a três vezes por dia.

Alguns cuidados devem ser observados no uso:

  • Repelentes devem ser aplicados nas áreas expostas do corpo e por cima da roupa;
  • A reaplicação deve ser realizada de acordo com indicação de cada fabricante;
  • Para aplicação da forma spray no rosto ou em crianças, o ideal é aplicar primeiro na mão e depois espalhar no corpo, lembrando sempre de lavar as mãos com água e sabão depois da aplicação.
  • Em caso de contato com os olhos, é importante lavar imediatamente a área com água corrente.

Além do DEET, os princípios ativos mais recorrentes em repelentes no Brasil são utilizados em cosméticos: o Icaridin e o IR 3535, além de óleos essenciais, como Citronela. Embora não tenham sido encontrados estudos de segurança realizados em gestantes, estes princípios são reconhecidamente seguros para uso em produtos cosméticos conforme regulamentação do setor.

Aleitamento materno

Como não há evidência científica que demonstre a transmissão do vírus Zika pelo leite materno, o Ministério da Saúde recomenda que seja mantido o aleitamento materno contínuo até os dois anos ou mais, sendo exclusivo nos primeiros seis meses de vida. O aleitamento materno é a estratégia isolada que mais previne mortes infantis, além de promover a saúde física, mental e psíquica da criança e da mulher que amamenta.

Fonte:

Brasil. Ministério da Saúde. Combate Aedes. Dengue, Chikungunya e Zika. Gestante. Recomendações às gestantes. Disponível em:  http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/microcefalia/perguntas-e-respostas. Acesso em 23/04/2019.

Boletim epidemiológico de monitoramento dos casos de
Dengue, Chikungunya e Zika Nº 132, Semana Epidemiológica 17 Data da atualização: 22/04/2019.  Disponível em: http://www.saude.mg.gov.br/images/documentos/Boletim_Aedes_22-04-2019%20_%20IMPRENSA.pdf. Acesso em: 23/04/2019.