Muito já foi falado que o parto natural (vaginal) é a melhor via parto tanto para mãe com relação e redução de complicações no puerpério quanto para o bebê, pois promove melhor amadurecimento.

Mas se durante o parto ocorrer complicações maternas ou fetais pode ser realizado o parto por Cesariana, conforme a indicação médica.

No Brasil, a proporção de partos cesarianos no ano de 2009 foi de 48,9% do total de partos, chegando em 2012 a 55,62%, sendo que a Organização Mundial da Saúde preconiza que o parto cesariano seja inferior a 15% do total de partos.

Consequentemente gerando aumento da morbidade e mortalidade materna e neonatal, em 1,5 vezes a mais em relação ao parto vaginal.

Vale lembrar que a Cesariana é uma cirurgia de grande porte que pode apresentar riscos para a mulher e para o bebê se for realizada sem a necessidade.

E como toda cirurgia, requer alguns cuidados pós-operatórios para evitar riscos de inflamação ou infecção dos pontos.

Principais cuidados

  • Mantenha o local limpo através do banho utilize sabão neutro e secando a região adequadamente. A umidade dificulta a cicatrização e promove a infecção.
  • Fique atenta, se a ferida operatória estiver limpa e seca os pontos deverão ser retirados de 8 a 10 dias, na Unidade de Saúde.
  • Compareça na primeira consulta pós-parto para avaliação dos pontos.
  • Mantenho o repouso relativo
  • Abstinência sexual no mínimo até 45 dias pós-parto.
  • Evite grandes esforços, exemplo: agachamentos, movimentos bruscos com os braços, subir e descer vários lances de escadas entre outros.

Complicações e sinais de alerta

  • Dor intensa
  • Febre
  • Presença de secreção amarelada ou sanguinolenta e com odor forte.
  • Alteração da coloração da pele, vermelhidão e temperatura da pele local aumentada.

Estudos apontam que o uso do tabaco, álcool e drogas no pós-parto pode dificultar a cicatrização da ferida operatória devido comprometimento vascular.

 

Fonte

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Caderneta da Gestante. Brasília/DF, 4º Edição, 2018.

CUNHA, MR; PADOVEZEL, MC; MELO, CRMM; NICHIATA, LYI. Identificação da infecção de sítio cirúrgico pós-cesariana: consulta de enfermagem. Rev Bras Enferm [Internet]. 2018; 71(3):1478-86