A fontanela ou moleira como é popularmente conhecida, são aberturas no osso do crânio do bebê separadas por linhas também abertas, chamadas de suturas. São duas as moleiras: A maior (anterior) localiza-se  no alto da cabeça, que é facilmente notada pelos pais por ser mais visível e “mole” e a menor (posterior)  localiza-se na parte de trás da cabeça quase na região da nuca.

As fontanelas ou moleiras tem várias funções, que incluem:

  • Facilitar a passagem da cabeça do bebê pelo canal de parto;
  • Amortecer choques e aumentar a elasticidade do crânio tornando-o mais resistente a traumas;
  • Permitir o crescimento do cérebro.

Momento depois do parto, o bebê pode apresentar pequenas deformidades devido às alterações ocorridas durante o parto. Contudo, essas imperfeições são corrigidas logo nos primeiros dias de vida com auxilio de um profissional.

Logo no primeiro ano de vida, o cérebro cresce metade do seu tamanho que atingirá na fase adulta, alcançando quase seu crescimento total ao fim do segundo ano de vida.

A fontanela maior (anterior) fecha-se antes da criança completar um ano de idade ( geralmente do 9º ao 10º mês de vida) já a fontanela menor (posterior) fecha-se até o segundo mês de vida.

Geralmente o profissional que acompanha a criança, pelo menos até o 8º mês de vida, realiza a medição do diâmetro cefálico que tem como objetivo identificar possíveis riscos que permitem que qualquer intercorrência ou problema seja solucionado adequadamente.

Importante!

Ao observar abaulamento (inchaço) ou  moleira deprimida ( afundada), é aconselhável procurar  por avaliação médica, pois pode ser um sinal de desnutrição e desidratação quando afundada ou hidrocefalia e meningite, quando apresentar-se inchada.

 

Alô Mãe Paulistana