Conjuntivite é uma inflamação na membrana transparente (conjuntiva) que recobre toda a região branca do olho e parte interna das pálpebras. Na maioria das vezes deixa os olhos vermelhos e cheios de secreção. 

Os tipos mais comuns são:

Conjuntivite viral:  Esse tipo é o mais comum. Geralmente não necessita de antibiótico, e o cuidado é basicamente lavar os olhos com soro fisiológico, água mineral ou filtrada.

Conjuntivite bacteriana: São mais freqüentes em crianças, e é altamente contagiosa e seus sintomas são mais intensos. Em geral a secreção dos olhos é amarelada (pus).

Conjuntivite alérgica: Não é transmissível e não necessita de antibiótico;. Geralmente manifestada na adolescência, é causada por contato com produtos que levam a doença. Em geral coça bastante e acomete os dois olhos. 

Os principais sintomas da conjuntivite são:

  • Sensação de areia nos olhos;
  • Olhos lacrimejantes;
  • Coceira;
  • Olhos vermelhos;
  • Fotofobia (sensibilidade à luz);
  • Inchaço nas pálpebras;
  • Secreção nos olhos.

Fique atenta! Em caso de sintomas listados acima, deve solicitar o quanto antes avaliação médica. No caso de infecção moderada a grave, o médico receitará um antibiótico ou um colírio.

O tratamento em bebês sempre variam de acordo com o tipo. Veja alguns cuidados importantes:

  • Lavar o rosto do bebê várias vezes ao dia, de preferência use uma gaze e soro fisiológico para limpar cada olho.
  • Realizar o tratamento recomendado pelo médico é super importante;
  • Não levar o bebê para a creche ou para a escola enquanto os sintomas durarem. Verifique com o médico a quantidade dos dias:
  • Lavar o rosto e as mãos do bebê várias vezes ao dia;
  • Evitar abraçar e beijar o bebê;
  • Trocar diariamente roupa de cama, como por exemplo, toalha, fronha e lençol;
  • Evitar compartilhar objetos pessoais e pertences com outras crianças;
  • Ao acordar, os olhos do bebê ficam “coladinhos”, pois a quantidade de secreção (remela) é maior. Para removê-la, use água filtrada morna.
  • Não use água boricada para a limpeza dos olhos (no passado era recomendado, mas atualmente foi descartada pelos médicos pelo risco de intoxicação). 

Prevenção é sempre a melhor opção, veja o que pode ser feito para evitar a doença:

  • Lave as mãos sempre;
  • Para evitar a recontaminação deve sempre manter as mãos limpas;
  • Evitar coçar os olhos para diminuir a irritação da
  • Lavar as mãos antes e depois da aplicação do medicamento;.
  • Não encostar o frasco do medicamento nos olhos.

Alô Mãe Paulistana