O câncer da mama é o tipo de câncer que mais ataca as mulheres em todo o mundo.

Não há uma única causa. Diversos fatores estão correlacionados  ao câncer de mama. E ser mulher e envelhecer são um dos fatores que aumentam o risco .

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA) estimam-se 59.700 mil casos novos de câncer de mama no Brasil. As taxas de morte por câncer de mama continuam elevadas, e isso se dá ao fato de a doença ainda ser diagnosticada em estágios avançados.

O diagnóstico precoce, é a maior forma para a diminuição da mortalidade pelo câncer de mama no mundo, e o Ministério da Saúde oferece atendimento por meio do Sistema Único de Saúde, o SUS.

Todas as mulheres, independente da idade, DEVEM conhecer seu corpo para saber o que é e o que não é normal em suas mamas.  

Alguns dos sintomas são:

  • Presença de nódulos e pele grossa;
  • Mamas vermelhas e quentes;
  • Secreções e feridas na pele;
  • Mamilos e aréolas com aspectos rugosos;
  • Aspectos de casca de laranja.

O autoexame das mamas não substitui o exame médico! Quando o câncer de mama tem sintomas visíveis, ele já está mais avançado!

E o tratamento em gestantes?

A escolha terapêutica deve ser levada em consideração o tipo de tumor, o estágio da doença.

Após avaliação médica o profissional pode optar por:

Cirurgia: A cirurgia das mamas pode ser seguramente realizada em qualquer trimestre da gestação com risco mínimo para o desenvolvimento fetal.

Quimioterapia e radioterapia: O efeito da administração de drogas depende da idade gestacional.

É possível tomar algumas medidas para diminuir os ricos de câncer de mama, como por exemplo, ter uma vida saudável, ter uma dieta balanceada, não fumar, consumir álcool com moderação e exercitar-se regularmente.

ATENÇÃO! A amamentação pode diminuir o risco do câncer de mama. Isso significa que quanto mais tempo a mãe amamenta, maior a proteção relacionada à amamentação!

FONTE: INCA. Câncer da mama, Disponível: http://www.inca.gov.br/outubro-rosa/cancer-mama.asp

Leia mais: Endurecimento das mamas, o que fazer?