A bronquiolite é uma doença respiratória aguda, que acomete a criança nos dois primeiros anos de vida (sendo encontrada em crianças até 2-3 anos de idade). Durante o período de inverno, é a causa mais freqüente de hospitalização e os principais causadores da bronquiolite são os vírus sincicial respiratório (RSV, na sigla em inglês).

Os sintomas costumam variar de intensidade e de criança para criança. O comum é notar um chiado no peito, tosse e uma possível dificuldade para respirar. Em muitos casos, os bebês melhoram espontaneamente entre 5 ou 7 dias. Porém, em casos mais graves, quando a dificuldade respiratória é muito intensa, pode ser necessária internação hospitalar.

São mais sensíveis ao quadro mais grave da doença os bebês prematuros, com baixo peso, com doença cardíaca congênita ou algumas outras doenças crônicas como Síndrome de Down e Doença Pulmonar da Prematuridade.

Como se dá a contaminação

Os vírus respiratórios são transmitidos por contato direto com secreções respiratórias, ou mesmo pelo contato com as mãos de pessoas contaminadas ou objetos. Muitos vírus respiratórios têm a facilidade de viajar pelo ar a partir de saliva e de espirros. Ou seja, onde circula uma pessoa doente, espirrando e tossindo, muitos locais podem estar contaminados, como, por exemplo,maçanetas, brinquedos, mesas, teclados, etc.

Dependendo do tipo de vírus, a bronquiolite pode vir junto com faringites, amigdalites, conjuntivite viral ou laringite aguda.

IMPORTANTE! Em casos especiais, é possível usar uma medicação preventiva, indicada especialmente em bebês que nasceram com menos de 28 semanas de gestação. Este medicamento, o Palivizumabe, já é fornecido em alguns estados brasileiros, desde que exista indicação correta.

É importante lembrar que os bebês que apresentam várias crises de chiado no peito e as crianças maiores de 2 anos não devem ser tratados como bronquiolite, pois a chance de apresentarem outros problemas como asma e refluxo gastro-esofágico aumenta. Se seu filho tem este quadro, procure seu o pediatra para uma avaliação especializada.

Alguns cuidados para reduzir o risco de bronquiolite:

• Evite ambientes fechados e aglomerações;
• Lave as mãos com frequência;
• Sempre lave as mãos ao chegar em casa;
• Sempre lave as mãos antes de ter contato com bebês pequenos ou prematuros;
• Evite contato de pessoas resfriadas ou gripadas com bebês menores de 2 anos;
• Faça a vacina da gripe (Influenza) anualmente;
• Se seu bebê é prematuro e nasceu com menos de 28 semanas de gestação, informe-se sobre a imunização (prevenção) com Palivizumabe.

Os nossos enfermeiros estão disponíveis para esclarecer essa e outras dúvidas. Se preferir, entre em contato conosco pelo 0800 200 0202 ou via Chat.

FONTE:

Sociedade Brasileira de Pediatria. Bronquiolite aguda. Disponível em: http://www.sbp.com.br/especiais/pediatria-para-familias/doencas/bronquiolite-aguda/. Acesso em: 13/03/2019.