O aleitamento materno é um ato de amor que produz vínculo, afeto, proteção e nutrição para a criança, ele é econômico e diminui o risco de doenças, mantendo a dupla mãe/bebê com uma saúde de leão.

Amamentar é muito mais do que oferecer alimento para uma criança. É uma interação profunda entre mãe e filho, que ajuda a criança no seu desenvolvimento e a se defender de infecções. Já na mãe, a amamentação auxilia no estado emocional além de ajudar na perda do peso extra adquirido na gestação.


Quais são os tipos de aleitamento?

Aleitamento materno exclusivo – quando a criança recebe somente leite materno, direto da mama ou ordenhado, ou leite humano de outra mãe, sem outros líquidos ou sólidos, com exceção de gotas ou xaropes contendo vitaminas, sais de reidratação oral, suplementos minerais ou medicamentos.

Aleitamento materno predominante – quando a criança recebe, além do leite materno, água ou bebidas à base de água (água adocicada, chás, infusões) e sucos de frutas .

Aleitamento materno – quando a criança recebe leite materno (direto da mama ou ordenhado), independentemente de receber ou não outros alimentos.

Aleitamento materno complementado – quando a criança recebe, além do leite materno, qualquer alimento sólido ou semi-sólido com a finalidade de complementá-lo, e não de substituí-lo. Nessa categoria a criança pode receber, além do leite materno, outro tipo de leite, mas este não é considerado alimento complementar.

Aleitamento materno misto ou parcial – quando a criança recebe leite materno e outros tipos de leite.


Até quando devo amamentar o meu bebê?
A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde recomendam aleitamento materno exclusivo por seis meses e complementado até os dois anos ou mais. Não existe vantagens em iniciar os alimento antes dos seis meses, pois pode haver prejuízos na saúde da criança como:

• Maior número de chance da criança ter diarreia;
• Maior número de internações por doenças respiratórias;
• Menor absorção de nutrientes importantes do leite materno, como o ferro e o zinco…


Qual deve ser a duração da mamada?
Até o esvaziamento completo da mama que garante a reposição total do leite retirado. Você perceberá que sua mama está vazia ao tocá-la.
Orientamos que até pelo menos nas primeiras 6 semanas a mamada deva durar no mínimo 45 minutos. Após 6 semanas até 4 meses do bebê o mínimo de tempo da mamada cai para 30 minutos pois ele vai ficando mais rapidinho e sua eficiência em sugar aumenta. Já para os bebês de 4 a 6 meses o tempo mínimo fica em torno dos 20 minutos.

E se o bebê dormir durante a mamada o que devo fazer?
Nos primeiros dias o bebê fica muito dorminhoco durante a mamada. É muito importante, que ele mame bem, para ganhar peso. Tente mantê-lo acordado fazendo delicadas cócegas no pescoço, debaixo do bracinho ou nos pés. Tirar um pouco da roupinha também ajuda.

Devo acordar o bebê para mamar durante a madrugada
O ideal é sempre conversar com o pediatra. Muitos recomendam que deve sim acordar o bebê pelo menos nos primeiros meses, para que o ganho de peso seja mais rápido.

Qual deve ser o intervalo entre as mamadas?
Muita gente fala que é em torno de 3 horas e que esse intervalo aumenta com o tempo, o ideal é seguir o ritmo do seu bebê e amamentá-lo sempre que ele solicitar. A isso é dado o nome de livre demanda, e está cada vez mais demonstrado que essa prática só tem benefícios ao bebê pois ele fica bem mais tranquilo, confortado e ganha peso com maior facilidade.
Com o tempo naturalmente ele poderá esticar o tempo entre mamadas durante o dia e também à noite. Isso também varia de bebê para bebê.
Mais fique muito atenta pois o bebê pode fazer sua mama de chupeta e aí vem as dúvidas relacionadas ao peso. Pois como pode ele mamar tanto e não ganhar o peso esperado?

Por que é tão importante amamentar?
-Favorece a relação entre a mãe e a criança;
-Recebe anticorpos da mãe evitando internações;
-Desenvolve uma boa fala;
-Apresenta uma ótima respiração;
-Evita infecções respiratórias como pneumonia e bronquiolite;
-Diminui as chances de diarreias;
-Previne alergias;
-Diminui o risco de colesterol alto e diabetes;
-Reduz a chance de obesidade infantil;
-Contém todos os nutrientes para o crescimento e o desenvolvimento da criança;
-As crianças ficam mais inteligentes;
-É um excelente exercício para que a criança tenha dentes fortes e bonitos;
-Proteção contra câncer de mama;
-Evita nova gravidez;
-Ajuda no orçamento familiar…

O que pode prejudicar na produção do leite?
–Qualidade de sono inadequada;
-O estresse;
-O desconforto;
-A Ansiedade;
-O medo;
-Medicações sem prescrição médica;

Como saber se estou produzindo leite?
Nos primeiros dias após o parto, o leite é produzido em pequenas quantidades, menor que 100ml/dia, mas já no quarto dia a mãe é capaz de produzir, em média, 600ml de leite.
Na amamentação, o volume de leite produzido varia, dependendo do quanto a criança mama e da frequência com que mama. Quanto mais volume de leite e mais vezes a criança mamar, maior será a produção de leite.
Uma mãe que amamenta exclusivamente produz, em média, 800ml por dia no sexto mês. Em geral, uma mãe é capaz de produzir mais leite do que a quantidade necessária para o seu bebê.

O que contém no leite materno?
Apesar da alimentação das mães variarem, o leite materno, surpreendentemente, apresenta a sua composição semelhante para todas as mulheres que amamentam do mundo. Que são as seguintes:
-Água;
-Nutrientes e Proteínas;
-Anticorpos;
-Gordura.

A concentração de gordura no leite aumenta no decorrer da mamada. Assim, o leite do final da mamada, após 15 a 20 minutos de sucção,  (chamado leite posterior) é mais rico em energia (calorias) e sacia melhor a criança, daí a importância de a criança esvaziar bem uma mama para depois trocar para a outra, se ainda estiver com fome.

Como devo amamentar?
BOA PEGA

Apesar da sucção do bebê ser um ato espontâneo, ele precisa aprender a retirar o leite do peito de forma eficiente. Para que a pega do bebê seja correta, ele deve abrir bem a boca e abocanhar não apenas o bico do peito, mas também parte da aréola. É sempre bom lembrar a mãe de que é o bebê que vai à mama e não a mama que vai ao bebê. Para isso, a mãe pode, com um rápido movimento, levar o bebê ao peito quando ambos estiverem prontos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) orienta o que as mães não podem esquecer sobre a posição correta na hora de amamentar:

• Rosto do bebê de frente para a mama, com nariz na altura do bico do peito;
•Corpo do bebê deve estar totalmente voltado para a mãe, barriga com barriga;
• Bebê com a cabeça e corpo retos;
•Bebê deve estar bem apoiado;
•A aréola visível acima da boca do bebê;
• Boca bem aberta;
•Lábio inferior virado para fora;
•Queixo tocando a mama.

 

MÁ PEGA

Além de dificultar a retirada do leite, a má pega machuca os mamilos. Quando o bebê tem uma boa pega, o mamilo fica em uma posição dentro da boca da criança que o protege da fricção e compressão, prevenindo, assim, lesões mamilares. Esses sinais demonstram uma amamentação errada:

• Bochechas do bebê encovadas a cada sucção;
• A língua faz muito barulho;
• A mama esticada durante a mamada;

 

ALGUMAS DICAS PARA ESSE MOMENTO TÃO ESPECIAL

-As roupas da mãe e do bebê devem ser confortáveis pra tornar esse momento prazeroso;
-As mamas devem estar completamente expostas, sempre que possível, e o bebê vestido de maneira que os braços fiquem livres;
-A mãe deve estar em uma posição confortável, relaxada, bem apoiada, não curvada para trás nem para a frente;
-O apoio dos pés devem estar acima do nível do chão e pode ser útil uma banquetinha;
-O corpo do bebê deve sempre estar bem próximo do da mãe, todo voltado para ela, barriga com barriga;
-O corpo e a cabeça do bebê devem estar alinhados ou seja o pescoço não deve estar torcido;
-O braço inferior do bebê deve estar sempre em uma posição que não fique no meio entre o corpo do bebê e o corpo da mãe;
-O corpo do bebê deve estar curvado sobre a mãe, com as nádegas firmemente apoiadas;
-O pescoço do bebê deve estar levemente estendido;
-A mãe deve segurar a mama de maneira que a aréola fique livre;
-Não é recomendado que os dedos da mãe estejam em forma de tesoura, pois dessa maneira pode servir de obstáculo entre a boca do bebê e a aréola.
-A mãe deve esperar o bebê abrir bem a boca e abaixar a língua antes de colocá-lo no peito;
-O queixo do bebê deve tocar na mama;
-O nariz do bebê deve estar sempre livre;
-A deglutição deve ser visível e/ou audível.

 

Fonte: BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde da criança: nutrição infantil, aleitamento materno e nutrição complementar. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. (Cadernos de Atenção Básica, n. 23) (Série A. Normas e Manuais Técnicos)